Alerta aos jovens marca o Dia Mundial de Luta contra a Aids (Demo)

No dia mundial de luta contra a Aids, 1º de dezembro, a secretaria estadual da Saúde alerta para o aumento do número de casos novos da doença em jovens entre 15 e 19 anos. Entre 2007 e 2011, foram notificados 39 casos de AIDS em meninos e 61 em meninas. Segundo o Ministério da Saúde, 11% dos casos notificados no Brasil são de jovens entre 13 e 14 anos, sendo que 68% da transmissão dessa faixa etária é sexual.

 

“A estratégia da campanha estadual é falar com esse público, chamando a atenção dos jovens para o uso da camisinha nas relações sexuais”, diz Sezifredo Paz, superintendente de Vigilância em Saúde. O mote da campanha é “Aids, aprenda a se cuidar – sexo, sempre com camisinha”.

 

O Paraná acumula desde 1984 (início da epidemia) 27.212 casos, sendo que 26.300 foram notificados quando adultos e 912 quando crianças. Em média são notificados 1,2 mil casos da doença por ano. Dos adultos, 16.728 (65%) são homens e 9.572 (35 %) mulheres.

 

“Por quatro anos consecutivos houve um aumento do número de casos de AIDS em meninas jovens, no entanto, em 2010 percebemos um aumento do número de casos de AIDS em garotos a partir dos 13 anos”, alerta o técnico do programa estadual de controle de DSTs/Aids, Francisco Carlos dos Santos.

 

Estudos recentes mostram uma redução no uso da camisinha entre os jovens, apesar da grande maioria da população ter conhecimento de que o uso do preservativo é a melhor forma de se proteger contra as doenças sexualmente transmissíveis e AIDS. “Nas décadas de 80 e 90 as pessoas viram seus ídolos enfrentando a luta contra a Aids e o uso da camisinha foi disseminado como forma de prevenção. Infelizmente hoje temos vistos jovens iniciando sua vida sexual sem a devida proteção, como se não soubessem do perigo dessa atitude”, analisa Francisco.

 

TRATAMENTO – Atualmente as pessoas que estão vivendo com o HIV/Aids têm melhor qualidade de vida porque o tratamento com antiretrovirais está disponível pelo Sus. “Nosso grande desafio é melhorar o diagnóstico precoce e conscientizar as pessoas de que a doença não tem cura e o tratamento tem muitos efeitos colaterais, portanto a melhor estratégia contra a doença é a prevenção”, diz Sezifredo Paz.

 

O Paraná conta com 30 Centros de Testagem e Aconselhamento para o HIV (CTA), três hospitais públicos de referência para HIV/Aids, dois hospitais-dia (Curitiba e Londrina) e 1 Atendimento Domiciliar Terapêutico (Londrina).

 

NÚMEROS – O município de Paranaguá concentra 33.91% dos casos de Aids do Estado, seguido por Foz do Iguaçu (19.03 %) e Ponta Grossa (15.81%).

A categoria de exposição que predomina é a de heterossexuais, com 82.54% dos casos. Entre 2007 e 2011 foram notificados 2.946 casos de Aids em pessoas entre 20 e 34 anos e 3.149 entre 35 e 49 anos.

– www.saude.pr.gov.br.

 

 

 

 

Deixe seu comentário